sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

Escuta atenta em tempos de comunicação

Escuta atenta
Irônico pensar que na era da comunicação, ouvir é tão raro. Há um certo receio de se perder em si mesmo ou nos pensamentos. Por isso, não escutar constitui-se uma estratégia  de proteção.
Ouvir é raro. Precisamos limpar os ruídos dos próprios pensamentos, hábitos de pensar, pesar, avaliar. Às vezes, não ouvir é um mecanismo de defesa, um temor de se perder em si mesmo, ou seja uma proteção. Ouvir exige um desprendimento que deve ser exercitado, pois é proeza bem difícil.
Neste caminho, é importante lembrar que todo mundo tem uma história. Ouça essa história do começo ao fim sem julgamentos. Entre em sintonia. Imagine que você está garimpando ideias para planejar o próximo passo.  A escuta atenta proporciona uma compreensão das situações, dos sentimentos e pensamentos das pessoas ao seu redor, aprofunda a empatia, conquista engajamento e credibilidade.
Uma técnica é ouvir os pontos críticos para poder investigar melhor e descobrir a raiz do problema. Ouvindo você será capaz de entender o cerne da questão e recomendar a solução. Faça perguntas abertas, sem acusações, deixe que o outro compartilhe suas motivações, aspirações, alegrias, dores, preocupações e pontos críticos. Por exemplo, não se aproxime de um menino já dizendo “ Você quebrou o vidro da janela de propósito, não foi? Faça uma pergunta aberta “ Olá, Fulano. Conte-me o que foi que aconteceu na sala de aula.” Soa mais como um convite. E realmente, ouça, apenas escute atentamente. Jennifer B. Kahnweiller, em seu livro A Força dos Quietos, sugere que o ouvinte mantenha-se numa ilha de calma, sem interromper nem pressionar, pois o silêncio pode levar o outro a revelar mais sobre si mesmo.
Os principais passos são:
- ouvir atentamente inclusive com a postura corporal; demonstre verdadeira disposição para ouvir.
-resuma o que foi dito com suas palavras,
-faça perguntas abertas,
-ajude a pessoa a entrar em ação.

Saber é ouvir é essecial seja em casa, no trabalho ou em momentos de lazer. Desenvolva esta habilidade.

Sugestão de leitura:

 A Força dos Quietos, Jennifer B. Kahnweiller

 Texto: Você sabe ouvir? Artur da Távola

Um oferecimento:








quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Dominando o idioma - parte 2 de cursos online

Chegada a hora da verdade, desembarquei na Alemanha com o certificado de conclusão de curso básico online que assegurava minha fluência. Será?
Eu sabia que nada sabia e surpreendi-me. Consegui  ler cartazes, entender faixas, alguns letreiros. Embalagens de produtos, ou seja era capaz de reconhecer as palavras. Também, era capaz de falar os cumprimentos básicos. A musiquinha com números surgia em meu cérebro na hora que precisava deles.
Então, lá vai a verdade a respeito dos cursos online de idiomas: você pode aprender vocabulário, pronúncia, regras gramaticais e até algumas frases. Recomendo como ótima forma para rever ou reforçar estruturas. Além disso, método super prático no smartphone, pronto para preencher qualquer momento de ócio.
Os cursos online para idiomas, segundo minha pesquisa e dedicação por seis meses, mostraram-se efetivos em termos de vocabulário e contato com a língua. Aconselho a utilização como mais um instrumento de apoio para o aprendizado da língua. Todavia, não descarto a necessidade de um  bom curso presencial acompanhado de muita dedicação. Esta  última é imprescindível para o sucesso.
Por outro lado, os cursos online têm um fator positivo importantíssimo: a motivação. Fazem o que  a maioria dos cursos presenciais não fazem: elogiam muito e estão sempre enviando  mensagens motivacionais. Não te deixam desistir nem desanimar. Além das estrelinhas,  palavras comemorativas como “ vivas “  e  parabéns ao terminar cada exercício, há os e-mails te lembrando de estudar e não desistir.
Então resta a pergunta: Vale a pena? Sim, como apoio e  um instrumento de aprendizagem. Língua é interação, como já dizia Vygotsky e nada substitui a presença e a interação humana. Nenhuma novidade, até porque aprendemos uma língua para a  comunicação, não é? Conte-me sua experiência! Te aguardo.

Um oferecimento,







quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Curso de idiomas online - Parte 1 - nível básico

Há um considerável leque de opções para quem quer aprender um idioma sem sair de casa, ou seja, online. As razões são as mais variadas: valores, tempo disponível, praticidade, necessidade. Resolvi investigar como aluna e inscrevi-me em três  plataformas para aprender alemão. Será que deu certo?
Após uma pesquisa pelo  Google levantei algumas alternativas. Todos os cursos oferecem aulas grátis como estratégia para  cativar o cliente. A metodologia é basicamente a mesma: vídeo-aula, algumas interações como em cenas de filmes, exercícios online que se assemelham a jogos divididos em gramática, vocabulário, escuta , escrita e leitura e conversação. Resolvi iniciar a aventura/ pesquisa.
Dediquei-me diariamente às atividades e, nesse quesito, sou muito disciplinada, tendo experiência em cursos EAD.
Fui fazendo com meu caderninho de notas ao lado, escrevendo vocabulário e dicas, e revendo todo dia. A cada dois dias recebia mensagens e e-mails de encorajamento da plataforma. Se deixava de fazer por dois dias, logo recebia uma mensagem de encorajamento para não desistir.
O ciclo básico com direito à certificado corresponde a vinte lições. Ao terminar com sucesso a 10° lição recebi um parabéns enoooooorme  afirmando que eu já estava quase fluente. Como assim????!!!!!!!! Dei até um print na página!  Estudar todos os dias um pouco é primordial, assim sempre repito para meus alunos, mas fluente em 10 lições, é um pouco demais. Por outro lado, percebi que já conhecia um pouquinho das palavras e já começava a fazer associações com similaridades e diferenças quando comparava com as duas outras línguas que falo. De fato, comprovei a teoria que à princípio nosso cérebro compara os idiomas e vai construindo conhecimento comparativamente até que, definitivamente, incorporamos o novo idioma. Mas, em dez lições??
Segui em frente e após um mês, fui para a Alemanha. Como foi minha experiência?  Te conto na próxima postagem. Até quarta-feira que vem! Tschüss!

Um oferecimento:





quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Espelho, espelho meu: para qual escola eu vou?

Em que escola coloco  meu filho?Uma questão que atormenta muito os pais. Há tantas possibilidades e, ao mesmo tempo, é uma escolha tão importante.
Costumo aconselhar aos pais que observem bem seus filhos e respeitem o perfil de cada um. Por exemplo: minha filha desde pequena adorava pintar, dançar e outras formas de expressão artística, por isso escolhi uma escola que tinha um ateliê de artes imenso e efetivamente fazia uso dele. Com o passar do tempo, minha filha demonstrou ter uma facilidade maior para a área de exatas, porém não abandonou o gosto pelas artes e, ao escolher, uma escola para o ensino médio, escolheu uma excelente escola com ênfase para as exatas, mas que tem aulas de arte/música nos três anos do ensino médio. Ela, inclusive participou de um concurso de contos incentivada pela escola e obteve o segundo lugar conquistando inclusive a publicação numa revista.
Por outro lado, meu filho desde pequeno demonstrou uma grande preocupação com as pessoas mais carentes e uma tendência para obter melhores resultados na área de  cálculos. Ele foi para uma escola onde a preocupação tanto com inclusão social como com a ajuda aos menos favorecidos seja em comunidades ou instituições tem um papel relevante, e concomitantemente, propicia participação em olimpíadas de astronomia, física, matemática e cursos de games.
Na verdade, meu objetivo é elucidar que cada pessoa tem um perfil e que  este precisa ser respeitado na hora de escolher a escola. Nossos filhos não são uma extensão de nós mesmos nem tampouco vieram ao mundo para realizar nossas  frustrações ou desejos.
Eu sugiro que visitem as escolas sem as crianças/adolescentes primeiramente para averiguar questões práticas como locomoção, valores e métodos, para só posteriormente levar as crianças até a escola e, nesse momento,  observem atentamente seus filhos:
- O que ele gosta de fazer? Desenhar? Pintar? Colorir? Ler?
- Ou é mais voltado para os exercícios físicos e atividades ao ar livre?
- Levanta bem humorado ou precisa dormir até tarde?
- Faz amigos com facilidade? Ou é mais tímido?
- Quais os valores da escola?
-Quando são mais velhos: costumam cumprir com as tarefas escolares, como são as notas, qual a área de preferência? Precisam de supervisão nos estudos?
Todos estes aspectos da personalidade ajudam a traçar  um roteiro do ambiente e método que irá ser mais adequado para que seu filho possa se desenvolver intelectualmente e se adaptar à escola. Boa sorte na empreitada!

Patrocinadores:





quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Ação de Graças ou Thanksgiving

Thanksgiving  ou Dia de ação de graças
Primeiro feriado americano, é fonte de muitas atividades nas escolas bilíngues. Trabalhamos história e geografia para contar a origem do feriado, artes com trabalhos manuais característicos da data, religião, alimentação, tradição e cultura.
Em meio à organização dessas atividades, deparei-me com uma que me encantou. Utilizando aquele jogo de pega-varetas, cada cor corresponde a um agradecimento. Assim, praticamos:
Em inglês, I´m grateful for ou em português, Sou grato por ou agradeço por, falado de acordo com a cor da vareta  retirada com sucesso.
Cada cor significa alguma coisa (tem essa lista básica, mas você pode mudar):
Vermelho: Pessoas que você é grato por
Laranja: Você é grato por qual lugar
Verde: Por qual comida você é grato
Azul: Por qual “coisa” (material) você é grato
Roxo: Você é grato por
 Adorei esta ideia retirada do https://teachbesideme.com/.
Além de ser usado em sala de aula, acho muito útil para jogar em família por muitas razões:
- praticamos a gratidão;
-ensinamos gratidão;
-jogamos em família;
-compartilhamos alguns momentos sem celulares.

Um oferecimento:



quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Como ensinar as gerações X.Y,Z

Cada geração tem suas características e  compreendê-las  poderá ser de grande valia na hora de ajudar um aluno a construir conhecimento.
 A geração baby boomers necessita de aulas calmas e sossegadas, com um ritmo que propicie  absorver, refletir, questionar e então assimilar o conteúdo. A mudança entre as atividades  deve ser suave e bem planejada. Esta geração precisa dos detalhes da gramática, dos fundamentos e da estrutura ensinada de modo clara e treinada através de muitos exercícios. A lição de casa é sempre bem-vinda.
A geração X, por sua vez, gosta de um pouco de tecnologia, mas não só , vídeos, séries de tv e músicas são muito bem-vindas. Não dispõem de  muito tempo para lições de casa porque trabalham muito, mas gostam de estudar, fazer provas e avaliar o progresso.
Os Millennials ou geração Y evoluem melhor se houver a utilização de muitos recursos tecnológicos. Embora interajam  pessoalmente precisam de atividades que os levem a desenvolver a habilidade de prestar atenção às pessoas, ler o que as pessoas estão pensando ou sentindo sem que seja falado, enfim fazer uso do olho-no-olho.  Outra ferramenta  importante que precisa ser ensinada é  traçar metas e fazer planos a curto, médio e longo prazo porque muitos têm a ilusão de que rapidamente obterão o sucesso financeiro e profissional chegando a CEO ou Presidente da empresa em  dois anos. A geração  Y acostumada a um clique  como portal para todas as respostas, precisa aprender a lidar com emoções especialmente medo, frustração e  fracasso.
A geração Z, que já nasceu mergulhada na internet, interessa-se por tudo o que for tecnológico, por este motivo, recursos de mídias sociais, aparelhos e vídeos atraem a atenção e ajudam muito como ferramentas de aprendizagem. Por adorarem a exposição na mídia,  precisam trabalhar a socialização presencial, ou seja, desenvolver a inteligência inter e intrapessoal. Esta geração vive encarando uma tela nos mais diversos tamanhos: tv, celular, tabletes, laptop, netbook e, constantemente, uma vez que  até no elevador, a tela está passando notícias ou fazendo propaganda. Por isso, ser ensinados a ler as emoções nos rostos das pessoas e aprender a ler a expressão corporal e o olhar tornam-se ensinamentos essenciais.  Nesta questão de desenvolvimento da inteligência emocional,  aprender a lidar com frustração e rejeição figura-se cada vez mais necessário porque não receber curtidas é  muito depreciativo. levando o jovem à depressão e à sensação de exclusão.  Por tudo isso, muito além do conhecimento acadêmico, um trabalho mais holístico é o caminho.

Um oferecimento:





quarta-feira, 8 de novembro de 2017

O alfabeto em gerações: X, Y, Z...o que é isso?

Nosso cérebro grita por categorização: palavras, animais, recursos e por que não pessoas? A psicologia  apresentou várias  sugestões de categorias para classificar o ser humano. Assim, também, as gerações são classificadas. Mas, o que essas siglas significam? Será apenas mais uma forma de categorizar? Algo como astrologia chinesa que reúne as características pelo ano de nascimento?
Oficialmente, a geração X inclui aqueles que nasceram no início de 1960 até o início dos anos 80. É um grupo identificado como jovem, mas sem uma identidade aparente.  Cresceram  passando pela fase dos  hippies, discos e viram surgir  o  fax, o computador pessoal,  a impressora, o Email, etc. Toda esta tecnologia fantástica que embora atraente mudava radicalmente e aceleradamente a maneira de trabalhar. Esta foi a geração criada com a mãe dizendo  “ - Enquanto estuda não pode ver TV nem ouvir música. Desliga a TV.”
No período seguinte, entre os anos 80 e 90, temos  a geração  Y  ou Millenium desenvolvendo-se em uma época marcada pelo avanço da tecnologia e prosperidade econômica. As crianças da geração Y cresceram tendo o que muitos de seus pais não tiveram, como TV a cabo, videogames, computadores e muito mais. Foram criados cercados por uma vida mais confortável e cheia de facilidades como por exemplo o controle remoto. Sequer levantar para mudar o canal, cujo seletor antes era redondo, eles precisaram. Estes jovens, ao contrário dos anteriores, têm como hábito ser  multitarefas, podendo ao mesmo tempo trabalhar em mais de um projeto, responder e-mails, acompanhar as notícias através de algum site, conversar com os colegas de trabalho, conversar com os amigos online, ouvir música e dar atenção às redes sociais. E, ainda, estudar. A televisão nem precisa estar ligada, pois o celular já traz tudo.
A geração dos nascidos  a partir  de 1992, aproximadamente,  compõe a geração Z. Este, por sua vez, são  nativos digitais e quase já nasceram de posse da tecnologia. Enquanto a geração anterior foi crescendo junto com o avanço tecnológico, esta já nasceu conectada à internet. Por isso, adoram a exposição da vida pessoal, o compartilhamento constante e a comunicação online. Porém, apresentam sérias dificuldades em manter um relacionamento mais íntimo e perceber os sentimentos alheios. São extremamente vulneráveis à opinão alheia e ansiosos ao extremo, uma vez que estão acostumados a obter tudo com apenas um clique. Por outro lado, costumam ter visões engajadas em questões socioambientais.
Ao falar em gerações, não podemos nos furtar a mencionar o grupo nem-nem. Embora sejam considerados quase um sinônimo para geração millenium, este grupo não estuda nem trabalha. Por outro lado, sonha em alcançar objetivos financeiros altos em até dois anos e trabalhar numa empresa gigante da tecnologia.
Desconsiderando as desvantagens de categorizar pessoas pela data de nascimento sem refletir sobre o meio e muitas outras variantes, esta classificação nos ajuda a compreender mais as novas gerações e, ao invés de assumirmos uma postura de crítica, procurar trabalhar juntos para crescer e evoluir.
 Um oferecimento:





terça-feira, 31 de outubro de 2017

Novos rumos da escola

Aprender a fazer? Um dos pilares da educação segundo a UNESCO. Mas, o que é isso?
Há algum tempo,  o  filósofo e professor Mário Sérgio Cortella, estimou que uma criança de 7 anos chega à escola com uma média de 5 000 horas de televisão assistidas numa gama de programas que vão de desenhos à telenovelas passando por documentários e notícias. Por isso, a escola tem que ser diferente da época em que nós fomos alfabetizados. Uma nova geração demanda um novo approach devido às novas necessidades. Porém, questiono, o que dizer da geração que está chegando agora às escolas?
Num breve passeio por restaurantes e shopping centers da cidade, veremos crianças com dois anos de idade já de posse de um celular ou tablete. Essa nova geração já nativos digitais definitivamente não podem encontrar a mesma escola que nós encontramos. Na verdade, nem mesmo a escola que a geração Millenium frequentou.
Nesta era, em que com  um click , a criança adquire o conhecimento que quiser porque tudo está disponível em segundos, a escola precisa se reinventar. Quadro, lousa, markers e vovô viu a uva, precisam se repaginar.

Nesta busca, retomo os pilares da educação segundo a UNESCO: “aprender a conhecer (adquirir instrumentos de da compreensão), aprender a fazer (para poder agir sobre o meio envolvente), aprender a viver juntos (cooperação com os outros em todas as atividades humana), e finalmente aprender a ser (conceito principal que integra todos os anteriores).  Estas quatro vias do saber, na verdade, constituem apenas uma, dado que existem pontos de interligação entre elas., eleitos como os quatro pilares fundamentais da educação.”
As aulas devem ter esses pilares como bússola ou GPS para usar um vocábulo mais atual, talvez ainda mais atual WAZE. Nossos alunos precisam aprender a fazer fazendo. Tornar as aulas mais práticas e atraentes retirando-os da situação passiva oferecida pela internet.
As atividades desenvolvidas pelo KIDZANIA por exemplo, podem e devem ser trazidas para a escola ensinando as crianças sobre finanças, o valor do dinheiro, organização, escrita, profissões, sonhar,   e planejar objetivos.
O mesmo conteúdo pode ser apresentado de diversas formas. Inove!


Patrocinadores:





            

terça-feira, 24 de outubro de 2017

Anti-culturas da sociedade

Uma palestra, a meu ver, brilhante do Ministro Herman Benjamin que nos traz as palavras de Tobias Barreto, filósofo brasileiro, descrevendo tão claramente os sentimentos dos brasileiros nesta época:
"A sociedade, em que vivo, não tem decerto força bastante para levar-me consigo, como um madeiro arrastado pelas águas selvagens dos nossos rios; mas eu também, por minha vez, não sou bastante forte para desviá-la do seu caminho, para fazê-la à minha imagem e semelhança; daí uma perpétua inconciliabilidade entre nós, que me faria misantropo e infeliz se a natureza não me tivesse investido de uma índole expansiva e mil vezes mais disposta ao prazer, do que à tristeza". Tobias Barreto
O Ministro cita Tobias Barreto para explanar sobre anti-culturas  de nossa sociedade e  as elenca como segue:
- ostentação: cria dúvidas sobre a origem e a legitimidade dessas práticas;
-indisciplina: a indisciplina  gera a falta de foco;
-desperdício: não só de alimentos, mas também de recursos naturais como luz e água.
-falta de atenção com os vulneráveis:  ferindo princípio constitucional;
-banalidade do ataque aos cofres públicos; banalização da corrupção;
-profundo pessimismo que leva à alienação e à omissão.
Todos estes pontos de anti-cultura não foram mencionados para nos fazer esmorecer. Ao contrário,  a saída é a Educação.  A combatividade deve vir pela educação. O brasileiro, ainda segundo o ministro, tem como missão olhar para a frente sem se omitir, pois quando queremos somos um país civilizado que respeita fila para idosos, estacionamento especial para pessoas com dificuldades de locomoção e outras pequenas atitudes que podem ajudar os brasileiros a vencer as dificuldades.
Finalizando, ele conclama os alunos a observar que somos melhores hoje e podemos criar uma nova sociedade.
*Palestra proferida na UNISANTA em 31 de julho de 2017. Ministro do TSE e STJ

Patrocinadores do Blog:


       

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Frustração e desejo: futuras gerações

Ao ouvir um belíssimo concerto da Orquestra do Instituto Pão de Açúcar, questionei-me quantos jovens hoje em dia estudariam música, línguas ou praticariam esportes. A tecnologia proporciona o conhecimento e a satisfação dos desejos com um clique apenas. Este acesso rápido à informação e ao objeto de desejo como um filme ou o próximo episódio de uma série de tv, pode estar gerando jovens frágeis em termos de busca de realização.
Música, línguas e esportes demandam tempo de dedicação e saber lidar com a frustração de não conseguir e, neste caso, tentar de novo e de novo até conseguir.  Este esforço laboral e físico sem mencionar o mental pode estar desestimulando os jovens a perseguir seus sonhos ou mesmo ter sonhos. A maioria acha que as pessoas nascem com dons e que, sem sacrifícios, saem tocando um instrumento. Há dons naturais, porém também é preciso dedicação.
Remeto-me a Mário Sérgio Cortella, que tão bem descreve desejo:
“Quem tem desejo  e acha que ele magicamente será concretizado, acaba  não só tendo uma frustração em relação à não concretização, como ainda corre o risco de atribuir a outras pessoas, ou ao destino, ou a vida aquilo que não aconteceu.” Mário Sérgio Cortella em Pensar bem nos faz bem. ( p91)
Na série de TV, Secret and Lies, em sua segunda temporada, os  filhos repetem em coro no primeiro episódio a frase que o pai sempre disse:
  “ Sempre ensinei a meus filhos a trabalhar muito, doar e não achar que as coisas vêm fácil.” 
Precisamos observar os valores que estamos passando para as novas gerações.

Um oferecimento: 
                                  


                   
   

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

7 dicas para aprender qualquer idioma



Muito tem sido dito sobre como estudar inglês ou qualquer outra língua, por isso com mais de 30 anos de experiência no ensino de línguas, vou sumarizar para você:
1.        10 minutes a day: estude 10 minutos todo dia. Coloque em sua agenda assim que acordar e dedique esse tempo para rever vocabulário ou regras gramaticais.
2.         Brain erasing: estudar e ir dormir não é uma boa ideia, pois seu cérebro pode apagar o que foi estudado. Estudar todo o dia significa rever o que foi estudado pelo menos umas duas vezes ao dia. O cérebro precisa ver o mesmo tema mais de duas vezes para entender que aquela informação é importante e retê-la.
3.         Filmes: assistir filmes ou trailers com ou sem subtitles melhorará seu listening.
4.         Markers: use canetas marca texto, visualmente te ajudarão a compreender e memorizar.
5.         Escreva listas: faça suas listas, escreva. Quando escrevemos, o trabalho motor ajuda o cérebro a gravar a informação. Não está provado ainda que o mesmo fenômeno ocorra ao digitar.
6.         Música: há vários sites com música que oferecem inclusive exercícios. Aproveite os vídeo clips com as letras para melhorar vocabulário e ritmo.
7.       Mascar chiclete: não está comprovado cientificamente, mas vendo este vídeo pode te ajudar pelo menos a melhorar a habilidade de  listening:
     
       https://www.youtube.com/watch?v=QC5JnGC-pQA


   Um oferecimento:



       

terça-feira, 19 de setembro de 2017

Sou tímido, e agora?

Segundo Jennifer B. Kahnweiler,  autora de A Força dos Quietos, cinquenta por cento da população é constituída por tímidos/ introvertidos. Os tímidos nascem bons ouvintes e mais engajados em ouvir e processar ideias, fato que lhes concede uma vantagem num mundo onde pouco se escuta e muito se fala. Além disso, o tímido naturalmente observa mais as relações e a linguagem corporal, captando assim os sutis sinais indicadores dos sentimentos profundos alheios. Este conhecimento pode transformar-se num instrumento importante para influenciar pessoas
Todas estas habilidades são inatas aos tímidos e eles devem fazer bom uso delas. Enquanto o extrovertido precisa dedicar-se muito para despertar e aplicar esta escuta atenta, o introvertido   age assim sem dificuldade, abrindo um canal de comunicação mais abrangente e seguro.
Entretanto, há algumas áreas da personalidade do introvertido que oferecem espaço para melhorias. Obter credibilidade é um processo que exige uma ação intencional e a longo prazo. Por isso, o tímido precisa vencer a tendência a manter-se sozinho o tempo todo, embora alguns momentos de ostracismo sejam benéficos. Os tímidos precisam desses momentos de solidão para produzir, ser criativo, desenvolver e gerar propostas inovadoras e certeiras. Todavia, precisa abrir-se para o outro também.
Para construir conexões, uma dica é dar informações sobre si mesmo e, para aprimorar a comunicação, é interessante ser o que autor chama de caixa de ressonância que engloba alguns aspectos:
·         Apenas esteja lá, ou seja, permita que a pessoa coloque sua história na pauta, e leia o que não é dito através da linguagem corporal (vá além das palavras);
·         Valide a posição e sentimentos da pessoa;
·         Sintetize o que ouviu, parafraseie;
·          Agregue valor;
·         Uso o nome das pessoas ao conversar.
Trabalhe esses pontos e transforme o que parecia ser uma desvantagem da personalidade em ponto forte!

Um oferecimento:

     

terça-feira, 12 de setembro de 2017

Empregado ou empregável?

Estar empregado, especialmente em um período de crise como esta que atravessamos no Brasil  é  um sonho a perseguir; contudo, manter o nível de empregabilidade é essencial em qualquer tempo.
Resta a questão: como?
Inicialmente, saber inglês deixou de ser um plus em seu currículo, uma vez que as empresas esperam inglês  fluente e uma segunda língua pelo menos em nível intermediário.
Se ter uma faculdade era um super ponto no CV, hoje em dia a pós-graduação ou MBA é mandatório.
Além dos títulos, demonstrar interesse por estudar é essencial e você pode comprovar isso facilmente por meio de presença em seminários ou certificações em cursos recentes.   
Em época de dificuldades financeiras, há inúmeros cursos online oferecidos por renomadas universidades que podem ser úteis. Aproveite o tempo ocioso para se preparar e qualificar. Sorte não existe, o que existe é a perfeita junção do axioma: habilidade, conhecimento, preparo e oportunidade.

Voltando ao tema das línguas estrangeiras, um intercâmbio conta muitos pontos; portanto, não hesite em aproveitar suas férias para estudar.
Este conselhos são para toda a vida!!

Um oferecimento:


domingo, 3 de setembro de 2017

O mundo é dos extrovertidos, certo?

Nem tudo são flores no reino  dos extrovertidos.
O que fazer quando aquilo que consideramos ser nossa melhor aptidão ou qualidade, parece estar nos destruindo?
Sempre achei que gostar de pessoas era meu maior atributo. Como professora e posteriormente, como diretora de marketing, saber fazer amizades e manter um bom network são dons primordiais. Entretanto,o outro lado da moeda de uma pessoa   tão comunicativa , pode revelar  alguém que tem ideias criativas, vende-as bem, mas ,muitas vezes, não  consegue tirá-las do papel  ou,  que dá início a esses projetos, todavia não dá continuidade ao processo. As festas e eventos constantes são bons, mas impedem aquela parada para organizar e planejar, levando ao insucesso e muita frustração.
Após uma palestra com uma coach, comecei a buscar um rumo que me levasse ao sucesso e à satisfação pessoal e profissional. Daí, iniciar o processo de coaching, foi O passo primordial. A proposta parece simples. E, afinal é simples. Entretanto, exige comprometimento. Se não seguir as instruções e sugestões, o coach terá o mero papel de um címbalo que soa, badala,badala, muitas vezes incessantemente e nada acontece.
Fazer o coaching, foi fundamental para me direcionar e amparar no início deste novo ciclo que se anunciava. Todavia, fica a dica: “Ficar só no campo das ideias, não resolve”. Tem que levantar da cadeira literalmente ou não e seguir em frente. Os primeiros passos são acompanhados de dor, portanto a vontade de optar pela fuga parece bem atraente e convidativa, mas o resultado é comparado a chegar em primeiro lugar numa maratona internacional, nada explica ou define...tem que ser vivido.
A cada etapa vencida, a adrenalina e a sensação de missão cumprida impelem a busca por mais, sucessivamente, um novo passo é dado. As oportunidades surgem e o ânimo constitui-se como o melhor combustível.
Às vezes, as pessoas dizem que se conhecem bem; entretanto, é bom lembrar que somos seres em constante mutação; portanto, a jornada nunca termina. A diferença é que podemos aprender a dirigir e, consequentemente, traçar nossos próprios caminhos.
Olhando para trás, parece impossível acreditar o quanto evoluí. Não se trata de um jogo de Pokemon-go, mas é uma evolução maravilhosa. É possível amar estar com pessoas e ser organizada, capaz de planejar e seguir o esquema. Acredite: há um mundo imenso te esperando do lado de fora das pokebolas.  Para evoluir é necessário duelar. Ficar quietinho, não ajuda.  Vá com Determinação, Foco e, além disso, aconselho: Faça a lição de casa que a coach passa!!

Um oferecimento:
                          



terça-feira, 29 de agosto de 2017

Desemprego e desmotivação

Heloisa ( nome fictício) se olha no espelho e pensa:

         - Tenho duas opções aceitar o papel de vítima e ficar chorando em depressão numa cama ou encarar os fatos e começar a lutar.

Diante deste quadro, com muita lentidão e dificuldade, Heloísa, venceu toda a inércia que a deixava na cama, levantou-se e saiu à luta.

Assim, como Heloísa, muitos outros desempregados estão perdidos e desesperados percebendo que os dias passam e o quadro só piora.
Jennifer B. Kahnweiler, autora do livro A Força dos Quietos, descreve o resultado de seu trabalho com grupos de profissionais durante vários períodos de recessão e atesta que, quando candidatos a emprego, passam muito tempo diante do computador enviando currículos, perdem a motivação. Porém,  quando oferecem seus serviços como voluntários a outras pessoas ou instituições e ONGs, a tristeza diminui pois o foco sai dos próprios problemas e renova a energia. 
Dispor de muito tempo para pensar nos problemas, segundo a autora é altamente desmotivador. Ao contrário, abrindo-se para o mundo além de fazer um novo network, as possibilidades de obter uma colocação são aceleradas. O ócio em excesso drena a energia. Então, vamos renovar a energia!


Fonte: A Força dos Quietos. Kahnweiler, editora Gente, p.79,2013

Esta postagem é um oferecimento:
       

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

5 dicas rápidas para uma entrevista de emprego


Às vezes, deslizes básicos derrubam um candidato, especialmente neste momento de crise econômica, por isso:
      .       Seja pontual  - faça como os franceses: chegue cedo, passe numa padaria próxima e só entre quando faltar 20 minutos para o agendamento. Chegar muito cedo poderá te deixar ansioso ou incomodar os entrevistadores e atrasado – nem pensar!
      .       Medite – aproveite os momentos na padaria para rever seu currículo e pontos que devem ser enfatizados. Mentalmente, faça a entrevista visualizando calma e sucesso.
      .       Vestimenta – lembre-se, limpas e bem profissionais.
      .       Autenticidade – não tente ser o que não é.

      .       Brilho nos olhos –  demonstre interesse, alegria e positividade em sua visão de vida.

   
  Um oferecimento:











quinta-feira, 17 de agosto de 2017

3 dicas para ser bem sucedido numa entrevista de emprego:

- Momento de silêncio: Mesmo que por pouco minutos, antes da entrevista reserve e programe-se para dedicar algum tempo ao silêncio. Estes instantes são cruciais para ajudá-lo a manter  o foco e dinamizam a criatividade e a eficiência de suas palavras e colocações. Repasse mentalmente a entrevista imaginando o que poderá ser perguntado, quais as suas habilidades e a sua qualificação. Respire lentamente praticando os movimentos de expiração e inspiração  conscientemente.
-Faça a lição de casa: Parece coisa de criança? Mas, não é. A lição de casa aqui, refere-se a estudar a empresa que está entrevistando você. Atualmente, é incabível que o candidato desconheça os produtos, serviços, localização das unidades, valores, missão e projetos. Visite o site e as redes sociais, experimente produtos e serviços. Como head Hunters, desclassificamos  imediatamente  quem não traz esse conhecimento na bagagem, pois este desconhecimento indica falta de empenho  e de vontade de estudar. Conclui-se que a pessoa faz uso das redes e plataformas da internet apenas para diversão. Além do descaso, soa como alguém que, ou não utiliza essas ferramentas – incompetência  inadmissível atualmente- ou ficará apenas nos bate-papos sem momentos de produção laboral concretos.
-Dress code: Pode parecer  “demodê”, como diria minha avó, porém importantíssimo. Ao visitar  o site e as redes sociais da empresa observe se usam uniforme, quem usa, quais as cores e se há um casual day. Além de vestir-se de acordo, tente usar, sutilmente, uma das cores da empresa. Este simples fato, poderá fazer com que você seja visto como parte do time. Por outro lado, fuja das cores da  outras empresas do mesmo ramo. Além de totalmente inadequado, pode parecer ofensivo e   te derrubar de cara.
Parecem detalhes; entretanto compõem a diferença entre ser selecionado ou excluído.

Um oferecimento:



quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Super mãe em ação!

Ao ler o artigo de Thaís Lyra na AT Revista, lembrei-me da história contada por um casal amigo.  A matéria em questão começa com o seguinte parágrafo:
               “Para boa convivência social, todo cidadão segue regras e normas. Algumas, para funcionar, existem em forma de leis. Outras dependem exclusivamente da consciência individual. Bom seria se esses dois elementos andassem de mãos dadas para o exercício pleno de cidadania.
                Infelizmente, para algumas pessoas, nenhuma das duas parece existir. Sobram comportamentos inadequados e impensáveis, que tomam conta da nossa sociedade.”
            Um casal amigo desabafou comigo a indignação perante a ligação da coordenadora da escola do filho de 16 anos, pois ela  ligou para comunicar que o aluno foi retirado de sala e estava assinando uma advertência por ter saído de sala sem o consentimento do professor. Os pais alegavam que o menino estava com necessidade de ir ao banheiro e o professor havia se ausentado.
Expliquei que, na realidade, o menino deliberadamente desrespeitou a norma da escola que determina que ninguém pode sair da sala de aula sem autorização. Na verdade, os adolescentes estão sempre testando seus limites, tentando liderar e ser “engraçadinhos” e “populares”  perante o grupo. Caso a escola, não tomasse uma providência, os outros alunos passariam a imitar a mesma conduta. Claro que não é adequado que o professor se ausente de sala, porém, aos 16 anos, os alunos são capazes de aguardar alguns minutos até que o professor retorne.
Os pais precisam vencer o instinto de proteção e evitar passar  a mão na cabeça dos filhos a cada delito que eles cometem. A consistência de conduta  é importantíssima, portanto, um delito leva a uma conseqüência e esta  deve ser enfrentada.
Delito parece um vocábulo pesado, afinal o menino  só foi ao banheiro. Mas, não é, trata-se como afirmou Thaís Lyra de um comportamento inadequado pois uma norma da escola foi infringida. Uma postura Ética, bem como, cidadã tem que ser exigida dos jovens.
Vencer este instinto de proteção à prole é uma atitude difícil de ser tomada, mas fará toda a diferença em longo prazo.
Certa vez, recebi em minha caixa de emails, a comunicação de que meu filho não fizera a lição de casa. Ao voltar do trabalho, adentrei minha casa FURIOSA. Sim, mães também têm ataques de fúria. Falei do email, expliquei pela enésima vez a importância de fazer as lições e avisei que,  a partir do próximo email, cada falta de lição corresponderia a uma atitude minha que fui elencando, pausadamente, pois tive muito tempo para pensar em todos os cortes às atividades lúdicas que eu poderia fazer.
Mais tarde, meu filho procurou-me para desculpar-se e justificar que os professores passam muitos exercícios para casa e ele, às vezes, não consegue dar conta de todas as tarefas. Meu lado mãe, gostou da humildade em reconhecer o erro, porém sentiu vontade de entrar em contato com a escola para conversar sobre o excesso de tarefas. Todavia, observei que ele teve tempo para  surfar na Net, assistir televisão e jogar seus jogos favoritos. Por isso, embora até saiba que alguns professores, às vezes, exageram, não tomei tal atitude. Meu filho precisa aprender a trabalhar com prazo curto, a priorizar tarefas, organizar o tempo  e assumir as conseqüências de seus atos. Controlar o instinto materno não é fácil, mas necessário, senão corremos o risco de superar a SUPERMÃE criada pelo Ziraldo!!!

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

O brinquedo esquecido

Que delícia estar em férias! Tenho certeza que os brinquedos ficavam bem cansados na minha infância. Era um leva e traz, pega e solta o dia todo.  Pequenas xícaras ou xicrinhas, teapots, panelinhas, feijões crus e macarrão espalhavam-se pelo quintal correndo o sério risco de serem atropelados por uma bicicleta ou por uma criança correndo.  Vida bem dura! Quando o cair da noite se aproximava, e, no verão, isso acontecia bem mais tarde, começava a gritaria. Mães e avós ordenando que guardassem os brinquedos e crianças literalmente enrolando, porque sempre havia a necessidade de mais um pouquinho.  Com frequência anoitecia e ainda estavam catando brinquedos. Nesse ritual, algum brinquedo invariavelmente ficava esquecido no quintal em algum cantinho escuro. Provavelmente, fora chutado inadvertidamente por algum dos amiguinhos que correram pelo quintal.
Pobre brinquedo! Condenado a ficar a noite toda enfrentando a solidão e o sereno da noite. Na verdade, acho que o brinquedo até gostava. Podia gozar de momentos de solidão e filosofar por algumas horas. Ao amanhecer, as crianças voltavam, e todos os brinquedos voltavam a ser espalhados pelo quintal.  Recolhê-los era o problema, espalhá-los era parte da diversão.
Caminhando lentamente pelas ruas da cidade a caminho da praia, surpreende-me a total ausência de crianças nos quintais das casas. Passo uma após a outra, dia após dia em diferentes horários e não vejo crianças brincando, correndo, gritando. Não vejo nenhum brinquedo esquecido desde o dia anterior em algum ponto dos quintais e jardins. Os dias ensolarados colaborando para atividades ao ar livre e me questiono: Onde estão as crianças em férias?

Que pena! Nada contra shopping centers, parques, cinema, online games ou tabletes, mas procuro em cada casa, em cada quintal, um brinquedo esquecido pelas crianças que ali estiveram, evidências de momentos de diversão e alegria. Eu tinha dor nas pernas de tanto correr o dia todo, hoje as crianças sofrem de dor mas costas ou de tendinite pelo uso constante de equipamentos eletrônicos. Cada um com suas dores e suas histórias.

sábado, 5 de agosto de 2017

Cãominhada ou aerominhada?

Caminhando pela avenida da praia juntamente com vários cães, cachorrinhos e cachorrões num evento tipicamente canino, lembrei-me de uma cachorrinha que provavelmente inspirada pelo filme SEMPRE AO SEU LADO,  resolveu  que ficar longe da sua família era algo impossível e impensável.
A família também não queria ficar afastada de sua querida PUCCA, por isso ao optar por viver em Israel, tomaram todas as precauções e seguiram todas as exigências  das companhias aéreas para que ela os acompanhasse na viagem  dentro da cabine, junte aos familiares, embora adormecida.
A primeira parte da viagem São Paulo Istambul, foi tranquila,  Pucca dormiu como um anjo, bem próxima da família. Entretanto,  houve troca de aeronave para  Tel Aviv  e aí não permitiram que ela continuasse acompanhando a família.Foi obrigada a ir no transporte de carga. É verdade, barrada no embarque. Muitos intérpretes, muita discussão, muitos artigos de lei mencionados e formulários apresentados, mas sem sucesso. Pucca  teve que ir para o compartimento de carga.
O que a companhia não sabia, é que não se separa uma família. E Pucca, não admitiu a separação. Mesmo sendo sedada, não se conformou. Ninguém segura um cãozinho obstinado.
A família inquieta em seus assentos começou a ouvir os latidos de Pucca e tinham a nítida sensação de que era ela  se movimentando no compartimento de carga. As aeromoças garantiram que não era possível, além de estar adormecida ainda estava na casinha própria para o transporte.
Angústia geral para todos. Viagem longa quase interminável…… dois séculos separaram   as duas cidades…sem pleonasmo, podem entrevistar a família. Certamente, responderão que, ao invés de aproximadamente duas horas, levaram 200 anos.
Finalmente, aterrissaram e com certeza os olhos e o coração da família desembarcaram primeiro e rapidamente buscando  encontrar Pucca. Esperar….esperar ………..todas as malas foram entregues e nada da Pucca aparecer, Até que surgem  dois seguranças  cercando  uma  oficial com uma cachorrinha  fofinha como algodão   no colo, porém não era branquinha. Na verdade, estava pretinha de tanta sujeira  do compartimento de carga e, parecia muito arredia ou  rebelde reclamando muito pela separação. Pucca não só se soltara como andara tanto no compartimento que deve ter  deixado  tudo limpinho. Em contrapartida, Pucca parecia ter trocado de cor!!! Deve ter dado  um trabalhão para apanhá-la.
Ah, o que não se faz para ficar junto à família.  E o trauma? Bem, se houve trauma não sei, mas  sei que hoje em dia ela já está  fluente em Hebraico.

domingo, 30 de julho de 2017

Pokemon e a aposentadoria

Pokemon Go..e muitos acompanham e vão..Volta à infância? Falta do que fazer? Perigoso? Golpe para pesquisar  e adentrar nossas casas? Bem, se esta teoria for correta, estou f.... porque meu quarto, por algum motivo que desconheço é um lugar muito aprazível para pokemons.  Acreditem, já acordei com minha filha sentada na minha cama com o celular na mão no meio da madrugada. O que ela fazia? Caçava pokemons raros??!!!!! Como assim, estou cercada, nem no meu quarto tenho paz?? Estarei sendo vigiada?? Meu George Foreman é outra área muito adorada pelos bichinhos das pokebolas. Segundo me explicaram é o quadrilátero em que meu apartamento está localizado. Estou até pensando se posso ganhar um dinheirinho negociando esses pokemons alojados em casa.
O lado bom é que minha filha antes sedentária, agora anda  muito a pé ou de bicicleta e segundo ela, fez muitos amigos. De fato, vejo famílias inteiras saindo juntas em caça dos pokemons, logo o jogo está proporcionando exercícios e momentos em família.
Claro, que tudo tem seu lado positivo e negativo como pessoas tendo seus celulares roubados,  sendo atropelados em meio a batalhas ou caçadas ou mesmo deixando de estudar ou trabalhar para duelar.
Porém, voltando ao lado positivo. Minha filha conheceu vários idosos participando ativamente dos jogos, pegando ônibus para ir atrás das pokestops ou ginásios, dançando de felicidade ao caçar um pokemon raro e mandando os netinhos correrem na frente para pedir que o grupo de jovens esperem por eles para iniciar a batalha.

E eu que achava que faria tricô, crochê ou bordado quando me aposentasse, começo a me preocupar, pois   com as artes manuais eu ainda quebro um galho, mas jogar pokemon??? O que será de mim na velhice. Ficarei no ostracismo??

terça-feira, 18 de julho de 2017

Eu e o pé de feijão

Após alguns pouco dias viajando, ao retornar  à minha casa, deparo-me com algo verde dentro do coador de café que havia ficado secando no lava-louças em cima da pia. Toquei levemente acreditando ser um bichinho somente para surpreender-me ao verificar que eram brotos de feijão..e acredite-me estavam  germinando. Deixei-os  quietinhos lá..crescendo até que meus filhos chegassem em casa. Eu conseguia entender que feijões enclausurados numa casinha-coador quentinha, com a umidade que vinha da pia proveniente da água que escorrera da louça lavada e o sol que toda  tarde  visita minha cozinha, trouxessem vida à minha casa. Contudo, o que os feijões faziam dentro do coador de café????
Aguardei a chegada de meus cientistas-detetives para esclarecer o mistério sem tocar nas evidências. E os feijões foram crescendo  sem vergonha ou qualquer sinal de embaraço. Até pensei, se meus filhos não teriam trocado nosso carro, já que não temos uma vaquinha, por feijões mágicos e, em breve, eu teria acesso à galinha de ovos de ouro. Porém, nosso carro, permanecia na garagem.
Meu filho, quase um membro do staff  Jeffersonian, analisou as evidências e concluiu que ao ao lavar os feijões para cozinhar, a empregada não percebeu que alguns caíram acidentalmente no coador  originando o crescimento da espécie.
Minha filha, a sonhadora escritora, já construiu uma história e pasmem, quando percebi ela estava regando os feijões continuamente para que crescessem. Segundo ela, os pés de feijão a levariam a Alemanha para rever o irmão que lá reside.
Resolvemos interrogar nossa  única suspeita no caso. Para nosso desapontamento, ela não fazia a menor ideia de como os fatos ocorreram, mas afirmou ter feito café pela manhã apenas. Assim, conseguimos determinar pelo menos a hora aproximada em que o fato gerador  ocorreu – após às 10 da manhã. A interrogada, também, acrescentou que ao ver os brotos do feijão, até concluiu que estávamos iniciando uma horta em casa. Em tempos de crise,  por que não?
Os feijões tornaram-se famosos e foram os personagens principais de várias postagens nas mais diversas redes sociais desde snapchats  até meu blog, percorrendo  o mundo,  rendendo muitos comentários, curtidas e compartilhamentos. Tomaram ares internacionais.
Antes que a sonhadora ou o cientista do Instituto Jeffersonian resolvesse escalá-los em busca de histórias para contar ou pesquisas, nossa única staff member resolveu colocar fim ao crescimento dos feijões até porque ela queria beber café.
Porém, antes disso, usei-os como prova de que:
- em qualquer idade, as pessoas ainda curtem uma plantação,
- é possível rir em família por qualquer motivo,
- se feijões são resilientes, quem dirá nós seres humanos.
Há esperança para nossas vidas mesmo após um grande sofrimento ou transformação. A vida sempre encontra um caminho. Usa a imaginação!